Datilografando | Por Rebeca Guerra

Resenha: Wish You Were Here

5 out of 5 stars (5 / 5)
Título: Wish You Were Here – Um Romance Musical
Gênero: Romance, Drama, Jovem adulto, chick-lit 
Formato:Digital | Livro Físico
Autor: Luly Lage
Páginas: 227
Ano: 2019

Sinopse: Mudar para outra cidade, sair da casa do pai, dividir um apartamento com a melhor amiga e, claro, começar a faculdade dos sonhos. Após seis meses de espera em férias intermináveis, Marie estava pronta para dar esses próximos passos, acreditando que juntos seriam o grande marco daquele ano que só parecia estar começando agora. Até que em meio a tagarelices na escada e sacolas de compra derrubadas ela conheceu David. David era metódico, extrovertido e uma daquelas pessoas de ótima memória que guardava informações sobre todas as coisas na cabeça. Ele também parecia estar disposto a conquistá-la, o que o tornava o protagonista perfeito para a primeira história de amor real da sua vida, fazendo com que finalmente se abrisse para novos sentimentos ao som de suas velhas músicas favoritas. Mas ela não poderia saber que essa trilha sonora estava prestes a se transformar radicalmente…

O que eu achei: Bom, vamos lá: talvez eu seja um pouco suspeita para avaliar este livro, visto que conheço a autora pessoalmente há vários anos. A Luly é de Belo Horizonte, formou-se na primeira turma de Conservação e Restauração da UFMG e é blogueira. Foi inclusive através dos blogs nos conhecemos, quando o Orkut ainda existia. Pode-se dizer que eu tive o privilégio de acompanhar seu crescimento (e ela, o meu!). Das fases modinhas à formação de uma caráter e postura sólidos, compartilhamos gostos, nos influenciamos mutuamente e discutimos por opiniões divergentes também. Foi por isso que, quando ela lançou seu livro inicialmente na versão digital pela Amazon, eu decidi que investiria pesado e compraria um Kindle só para ter o gostinho de ler "com estilo". Claro que o Kindle era um desejo antigo mas não havia melhor motivador para esta compra do que descobrir o que aconteceria com a Marie – e é aqui que começa a minha resenha.

Marie é uma jovem adulta, apaixonada por música e bastante nerd que está ingressando na faculdade na companhia de sua melhor amiga. Quando lí a sinopse, fiquei extremamente curiosa com duas coisas: o nome claramente estrangeiro dos protagonistas (Marie e David) e a capa de elefantes que lembrava absurdamente a área de grandes mamíferos do zoológico de Belo Horizonte. Fiquei muito confusa! Era uma história passada no exterior? Os personagens eram estrangeiros? Confesso que bateu um medinho de ser mais uma história melosa daquelas que me encantavam quando eu era mais nova mas que hoje em dia – quase na casa dos 30 – não faz muito sentido. A gente cresce, os boletos começam a chegar e romances no colégio entre adolescentes que fogem à noite parecem perder um pouco a graça pois não falam com nosso cotidiano. Mas, posso felizmente dizer que Wish You Were Here de "história ingênua e fraca" não tem nada.

O romance existe (e creio que falar isso não é nenhum spoiler). Mas ele acontece de forma tão sutil e gradual – exatamente como na vida real de um jovem adulto – que quando ele se materializou eu fiquei agradavelmente surpresa e satisfeita. Era como se a gente soubesse que iria acontecer mas, ao mesmo tempo, não tivesse pressa para que acontecesse: era bom curtir cada pequena conquista, saborear o dia-a-dia da personagem central. Sabe quando você vai convivendo com alguém e de repente percebe que está em um relacionamento que simplesmente "aconteceu", sem a pressão da sociedade ou a necessidade de rótulos? É assim que a gente se relaciona com o livro.

A respeito da escrita, a história é leve e a narrativa segue tranquila. Os primeiros capítulos talvez sejam um pouco mais lentos, muitos personagens são introduzidos e diminuir o ritmo tornou-se necessário para que conseguíssemos acompanhar tudo, assimilar nomes e lugares. Algo que me deixou muito feliz foi perceber que, de fato, a história se passa em Belo Horizonte. É maravilhoso ler sobre algo que nos é familiar – a cultura, as pessoas, o estilo de vida brasileiro. Passamos tanto tempo imersos em livros fantasiosos sobre países diversos que ler algo cujo pano de fundo é nosso próprio país causa uma estranha – e feliz! – sensação de familiaridade. É como estar em casa, acompanhando as descobertas amorosas de uma amiga que cresceu na mesma rua.

Conforme a história se desenrola tudo concentra-se em um único núcleo e isto é ótimo. Os laços com cada personagem são estreitados e passamos a desenvolver um apego emocional com cada um e também a obter mais informações sobre os lugares. É interessante que não existe um "vilão" de fato (lembra das histórias adolescentes com a menina loira-convenientemente-namorada-do-capitão-de-futebol que odeia a mocinha?) o que deu uma pegada bem realista ao enredo. É a vida real que vemos ali: relacionamentos nascendo, outros morrendo, acontecendo lentamente porém de forma intensa e verdadeira. Mas não se engane achando que o livro é monótono porque quando menos se espera (sério, eu não desconfiei e eu SEMPRE consigo prever o que vai acontecer) uma reviravolta acontece e o final… O final foi extremamente corajoso. Não é o tipo de final que você lê, porém é inspirador. E é bonito.

Terminei fechando o Kindle, suspirando satisfeita como se tudo aquilo tivesse acontecido comigo e eu fosse uma pessoa melhor, pronta para seguir em frente.

A Última Imperatriz e a nova face das garotas na Coréia